Sou EU

Na gloriosa manhã daquele domingo, mulheres piedosas, que haviam observado que o corpo de Jesus, retirado às pressas da cruz, antes que se iniciasse o sábado judaico, não fora convenientemente preparado para o sepultamento, foram ao túmulo.

Desconheciam elas que fora montada guarda ostensiva, a pedido dos sacerdotes do Templo e a mando de Pilatos. E nem cogitavam como haveriam de remover a grande pedra que fechava a sepultura.

Simplesmente, dispuseram-se à tarefa e iniciaram a caminhada. No trajeto, Joana de Cusa, Salomé, mãe dos apóstolos Tiago e João, detiveram-se na cidade, para adquirirem aromas e faixas de linho, a fim de oferecer ao corpo do Mestre as dignas homenagens.

Maria Madalena foi à frente. Antes de vender seu palacete e dispensar seus servos, inclusive os perfumistas que tinha a seus serviços, separara essências preciosas, que com ela levara para a nova vida.

Agora, as trazia para o conveniente preparo do corpo do Mestre tão amado. Eram unguentos e perfumes, conforme exigia o costume.

Ao chegar ao local do sepultamento, ela observa a pedra removida, o sepulcro vazio. Sai a chorar, tentando entender o que poderia ter ocorrido: Alguém removera o corpo? Alguém o furtara? Para quê? E onde fora depositado?

Vendo um homem, de costas, imaginando ser o jardineiro, que cuidava das rosas silvestres e do local, o interroga: Para onde levaram o corpo do meu Senhor?

Ele se volta. Todo em luz, tangível e vivo. É Ele! É Jesus!

Ela se lança ao Seu encontro, de braços abertos. Deseja abraçá-lO e afogar naquele seio bendito a tristeza das últimas horas e a imensa saudade que lhe oprime o coração.

Ele a detém: Não me toques, ainda não fui para meu pai.

Radiante de felicidade, ela retorna à cidade para dar a notícia da ressurreição gloriosa.

Jesus vive! Eu O vi!

À exceção de Maria, mãe de Jesus, presente entre os discípulos, no cenáculo, os demais se mantêm incrédulos. Pedro e João se dirigem ao túmulo, a fim de constatarem da veracidade da notícia.

Haveriam de vê-lO e com Ele conversar os discípulos, a caminho de Emaús, saindo de Jerusalém.

E, nos dias que se seguiram, os Seus lhe receberam a visita, entre a surpresa e a admiração. Ele retornara do país da morte, vencendo a megera tão temida.

Morto, sepultado, ressurgido. E Sua identificação, qual O fizera no poço de Jacó, para a mulher samaritana, se repetiria em muitas ocasiões:

Sou eu.

Sou eu, Jesus de Nazaré, que foi erguido no madeiro da infâmia.

Sou eu, o Cristo, que representa a resposta do Pai aos filhos sofridos do planeta.

Sou eu, aquele que transformou a cruz do martírio em um hífen de luz, ligando o céu das benesses espirituais à Terra sofrida dos homens.

Sou eu, conforme expressara tantas vezes, em Seu messianato: Sou eu o Caminho, que leva ao pai. Sou eu a Verdade, que liberta e a Vida autêntica. A luz do mundo.

Eu sou o rei da vida, que venceu a morte. Eu sou o Senhor dos Espíritos. Ouvi-me. Sou eu.

Redação do Momento Espírita.
Em 4.8.2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *